Atenção:

Para navegar no site habilite o "JavaScript" em seu navegador (browser) de internet!
 
 
 
Destaques
 
Artigos
 
O que vi na Brazil Conference 2017

Por Rodrigo Valverde*

A Brazil Conference 2017 foi realizada no epicentro do conhecimento científico e jurídico do mundo, o Massachusetts Institute of Technology (MIT) e a Harvard Business School. Tentando compilar dois dias intensos de palestras e convívio com muita gente interessante, inteligente, hard workers e com vontade de transformar o país, dois aprendizados foram bem marcantes para todos os presentes:

  • A importância do diálogo. Com o tema “diálogo que conecta”, a primorosa organização reuniu pessoas que pensam diferente, colocou no mesmo auditório Dilma Rousseff (ex-presidente do Brasil), Deltan Dallagnol (Procurador do Ministério Público Federal) e Sérgio Moro (Juiz), e deixou uma importante mensagem para todos os presentes, também ilustrada pelo professor Dan Shapiro: você pode discordar do outro, até mesmo dos seus métodos, mas não faça desta discordância uma distância ou um julgamento. Aproxime-se do universo do outro, aprenda com o próximo, apresente de forma educada seus argumentos e, dentro de um canal respeitoso, construa um novo país.
  • Faça sua parte. De gente muito conhecida, como Jorge Paulo Lemman, até pessoas que só tivemos a sorte de conhecer há pouco tempo, como dona Vanilda, que, levada pelo apresentador Luciano Huck, contou sua história, que passa pela adoção de 47 crianças à construção de bibliotecas para incentivar os jovens a desenvolverem o habito da leitura, existem muitos exemplos de pessoas bem-intencionadas e que se esforçam na construção de um país melhor. Impossível não ser contagiado e voltar para casa com a missão de contribuir para o Brasil que sonhamos em ter.
Mas, não foram apenas estes os pontos que nos tocaram nestes dois dias de conferência. A interação com brasileiros e estrangeiros, ávidos em discutir o problema “Brasil e a minha parte na construção das soluções”, em um ambiente acadêmico, com cem por cento de liberdade de expressão, foi um momento único e que será guardado para sempre.

Os egos, títulos e cargos foram deixados de lado por quase todos os palestrantes, como o Ministro Luis Roberto Barroso, ao falar sobre o “jeitinho brasileiro” com a inteligência e perspicácia de um ministro, mas cuja gentileza e honestidade imputáveis a um cidadão comum, foi fonte inspiradora para muitos e muitos jovens presentes. Em um evento realizado dentro de uma instituição que formou 87 prêmios Nobel, sendo 11 deles ainda atuantes na instituição, como o MIT, fica fácil reconhecer o tamanho de nossas pequenezas e do desafio que temos pela frente.

Além disso, pudemos vibrar com a palestra do decano Nizan Guanaes, com o tema “How to sell Brazil”, ao convocar todas as mentes brasileiras, em especial aquelas que estão sendo aperfeiçoadas no estrangeiro, a voltarem para o Brasil. Este retorno, certamente, irá contribuir para a transformação da nossa realidade. Estas mentes, disse Nizan, devem assumir seus papéis como protagonistas de um novo país, melhor e mais consciente – vale lembrar que ele tem este desafio em sua própria casa, com 3 filhos estudando no exterior, um deles presente no evento.

Também, fomos gratamente surpreendidos por jovens, com não mais de vinte e cinco anos de idade, em um “concurso de pitchs”, que consistiam em discursos para convencer investidores a aportarem recursos em seus projetos. Acompanhar a emocionante apresentação dos 5 grupos participantes elevou o suspense e a torcida por um candidato preferido – muitos torciam para mais de um candidato - até o anúncio final do ganhador.

No campo da economia, o QI do ambiente subiu ao limite, com a entrevista do economista brasileiro e ex-presidente do Banco Central, Armínio Fraga, conduzida pelo papa da economia americana, Larry Summers. Este encontro nos deu a oportunidade de ouvir duas das mais brilhantes mentes discorrerem sobre os erros e ajustes que precisam ser feitos para uma transformação política, social e econômica em nosso país.

Sobre o tema da diversidade e igualdade, palestrou no evento a vereadora mais votada da cidade de Belo Horizonte, Áurea Carolina, que falou sobre a importância da inserção das mulheres e negros nas camadas mais altas da sociedade e das empresas. A também vereadora, Janaína Lima – uma alma como poucas, saída do Capão Redondo para sua primeira legislatura –, inspirou a todos com sua história e com sua contribuição integral de tempo e energia para uma sociedade mais igual.

A cereja de um bolo em que não se deve economizar calorias ou guardar o último pedaço para depois, foi a entrevista de dois dos mais admirados e respeitados investidores do mundo, Jorge Paulo Lemman – apoiador da conferência –, e Warren Buffett – cuja participação na conferência foi tratada como segredo guardado a sete chaves pela organização, e só revelado na hora da entrevista. Não bastasse a presença destes dois gigantes, a entrevista foi conduzida pelo excepcional Nitin Nohria, indiano – lamento, Trump - reitor da Harvard Business School. Um espetáculo.

Passaria horas escrevendo sobre este evento, brilhante pela organização, pessoas, ideias, respeito a diversidade e estímulo à transformação. Passarei anos refletindo sobre ele. E, se Deus permitir, irei todos os anos nesta fonte.


* Sócio do Schroeder&Valverde Advogados, Rodrigo Valverde é advogado com mais de 11 anos de experiência em direito societário. É professor convidado da Universidade Presbiteriana Mackenzie, palestrante do HSM, já participou do conselho de administração da Master Park (investida do Pátria Investimentos) e contribui para a melhoria do ambiente de negócios no Brasil, aconselhando empresas e fundadores a vencer no país.
 


Últimos Artigos 
» Norma brasileira é modelo para outros países
» Notícias positivas
» Como é bom viver na Suíça!
» Por onde começar quando se deseja mudar de carreira
» Os 10 mitos do Marketing
mais...