Atenção:

Para navegar no site habilite o "JavaScript" em seu navegador (browser) de internet!
 
 
 
Destaques
 
Artigos
 
Conheça os 7 itens que fazem da Casacor a mostra mais sustentável do país

A edição 2017 da Casacor São Paulo – principal mostra de decoração, design, arquitetura e paisagismo das Américas - chegou ao fim em julho e a organização do evento acaba de divulgar os números da gestão ambiental, que é coordenada pela Inovatech Engenharia.

De acordo com Luiz Henrique Ferreira, diretor da empresa de consultoria, “a mostra conseguiu mais uma vez ir além do previsto e mostrou a importância das práticas que visam a diminuição do impacto ambiental e os efeitos positivos da integração do evento com a sociedade”.
Para Darlan Firmato, arquiteto responsável pelo planejamento e montagem da Casacor, “os benefícios das ações de sustentabilidade desenvolvidas atingiram todos stakeholders da mostra. Este ano, a avaliação de satisfação com a obra de Casacor, medida entre os profissionais participantes e seus fornecedores, atingiu o índice de 86%, evidenciando o reconhecimento das nossas práticas e indicando que estamos no caminho certo”.

Veja abaixo os 7 itens que tornam a Casacor a mostra mais sustentável do país:

1 - Economia de energia

De 2014 até 2017 a mostra já economizou cerca de 50% em energia elétrica nos gastos totais, sendo que mais da metade dessa economia é proveniente do incentivo ao uso de lâmpadas LED, que hoje atinge cerca de 90% dos ambientes.

2 - Consumo de água

O sistema de captação de água de chuva evitou que 18.200 litros de água potável fossem utilizados na rega dos ambientes que possuem paisagismo. Número que representa 15% do total de água potável consumida pela mostra.

Além disso, o consumo de água ficou 7,4% abaixo da meta estipulada pelos organizadores. As soluções ambientais adotadas durante a montagem da mostra, como dispositivos economizadores, campanhas de conscientização e uma complexa rede de monitoramento com hidrômetros setorizados, resultaram em uma economia de água de 22% em comparação com a mesma fase do processo no ano passado.

3 - Soluções sustentáveis nas áreas comuns e espaços funcionais

As lixeiras foram reposicionadas para que não houvesse mistura de resíduos e a triagem ocorresse diretamente na fonte. O posicionamento estratégico das lixeiras, aliado a uma campanha de conscientização e forte comunicação visual, reduz a necessidade de um trabalho manual insalubre de triagem de resíduos e eleva os índices de reaproveitamento para cerca de 90% no caso dos resíduos recicláveis. Nos banheiros, os sanitários utilizaram dispositivos economizadores de água. O piso utilizado nos decks das áreas comuns foram desmontáveis e serão reutilizados.

4 - Materiais de orientação e consumo

Os mapas impressos de localização para os visitantes da mostra tiveram a gramatura e dimensões reduzidas, representando uma economia de aproximadamente 37.000 folhas de sulfite A4. Canecas de fibra de coco foram distribuídas aos colaboradores do evento o que gerou uma economia de 80.000 copos descartáveis. Para o público em geral que frequentava o escritório administrativo, os copos plásticos foram substituídos pelos de papel para facilitar a reciclagem do material.

5 - Ingressos

A Casacor deu desconto de 20% no preço do ingresso para os visitantes que foram ao local de bicicleta. Os ingressos, na maioria, foram comprados pela internet o que ajudou também na redução do consumo de papel.

6 - Resíduos

Das cerca de 500 toneladas de resíduos geradas com a montagem da mostra, 98% do material foi reaproveitado e o que ainda apresenta condições está sendo doado para ONGs (Organizações Não Governamentais) que realizam trabalhos sociais em São Paulo.

Entre os materiais, até agora foram 276 toneladas de concreto, ferro e outros compostos reaproveitados; 103 toneladas de madeira foram para reciclagem ou utilizadas na geração de energia com a queima; e 117 toneladas de gesso foram encaminhadas para serem reintroduzidas na construção civil por meio do aumento de volume no processo produtivo do cimento.

Os resíduos recicláveis de papel, papelão, plástico e vidro gerados na montagem e por colaboradores que trabalharam durante os dois meses da mostra, além do gerado pelos visitantes, que ao todo somaram 21,5 toneladas, foram enviados para Cooperativas e Aparistas.

As mais de 3 toneladas de resíduos orgânicos foram compostados e viraram adubo para uma horta aos funcionários da Casacor e doado para a equipe dos restaurantes (geradoras do material) e para uma horta comunitária.

7 - Inclusão social

A organização do evento realizou uma campanha onde 115 visitantes doaram uma ou mais peças de agasalho. Parte da renda da inauguração foi doada para a AACD.


Fonte: Assessoria de Imprensa
 


Últimos Artigos 
» Os 10 mitos do Marketing
» Ministro do Turismo completa um ano de gestão e fala sobre os desafios do setor
» Banânia, a Corte e os Burocratas
» Congresso SAE Brasil discute desafios e propostas para o futuro do Motorsport
» O Brasileiro ainda é patriota?
mais...